{b

domingo, 5 de novembro de 2006

Um dialógo...

Me dissestes:
-Vejo tudo de voce, e te imagino mas não posso te tocar...
Perguntei:
-Por quê não nos esquecemos?
Me respondestes:
-Não consigo, mas se tu queres; que remédio tenho eu ...
-Também não consigo te esquecer...
-Me amas de verdade?
-Sempre te amei, mas para ser feliz precisava de ti ao meu lado.
-Então, ficamos assim:
-Eu aqui pensando em ti e tu aí pensando em mim...
Até quando?...
Me dissestes:
-O amor morre se não o alimentarmos todos os dias...
-Eu sei...
-O nosso ainda é uma minúscula plantinha
brotando no meio do nada.
Por quê será que ainda não morreu?
Não temos lhes dispensado os cuidados necessários
pois se encontra “fora” do alcance de nossas mãos.
Então por quê se mantém vivo? Por quê não definha
de vez até secar...virar pó e ser levado pelo vento?
Quanto ao remédio, deve haver algum... (alguém...)
acho que entendes mais de paliativos do que eu...
é tua área, mas, suponhamos que o amor seja como
um câncer que corrói por dentro...teria cura?
E se estiver sendo alimentado pelo silêncio das
palavras presas na garganta,dos gestos contidos
pelo vácuo ou pelos olhares perdidos no horizonte,
com um tênue fio de esperança...

5 Comments:

DE PROPOSITO said...

'O amor morre'. É possivel que sim. Mas será que nasceu?!... É que por vezes o amor não é amor. Hoje abusa-se da palavra 'amor', serve para os fins mais 'interesseiros' que há à face da terra. Muito mal se faz por este mundo em nome do 'amor ao próximo'.
Fica bem.
Beijinhos para ti.
Manuel

O Sibarita said...

Oi! O poema está muito bacana mesmo! Mas, será que o vedadeiro amor morre?? Sei não...

O
Sibarita

Navi Leinad said...

Amar é fácil, mas manter o amor é difícil. Adorei o texto e o fundo novo do blog!
Bom final de semana!

Menina do Rio said...

Manuel,
Faço minhas as tua palavras. Por vezes confunde-se encantamento com amor, inda mais quando a distância impossibilita o encontro.
beijos

Menina do Rio said...

Meu amigo Siba,
O amor quando é verdadeiro não sucumbe, apenas adormece mesmo que a noite seja eterna.

beijos