{b

terça-feira, 1 de abril de 2008

Meninos na praça

Os meninos dormem
nas calçadas nuas, nas ruas
no centro do Rio, no frio
Meninos de todas as idades
acordam a cidade
E no afã;
o café da manhã
garrafinhas de cola
que de mão em mão rola
cheirando
axpirando
enganando a fome
que os consome
Rostos sujos, sem banho
São de todos os tamanhos
meninos
anjos caídos
entorpecidos
cheirando solventes
que lhes travam as mentes
anestesia,
na crueza dos dias
vagando sem mais
pedindo em sinais
- Moço, me dá um trocado
pra comprar um pão
- Que trocado, meu irmão?
Vai trabalhar, vagabundo!
E lá vai o filho do mundo
A fome gritando alto
Passa a grana, é um assalto!
Ai maluco, perdeu
É tu ou eu
Passa a carteira
Que eu não tou pra brincadeira
E, nessa luta injusta
Quanto a vida custa?
Talvez escola, comida...
Educação, porque não?
Um amigo,
Um irmão
E um motivo pra sonhar...
que um dia vai melhorar

61 Comments:

Flores Online said...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Flores Online, I hope you enjoy. The address is http://flores-on-line.blogspot.com. A hug.

Maria Clarinda said...

Simplesmente belo, cru, dorido!
As tuas palavras e imagens deram-lhes a força que mereçia este teu/nosso grito!
Jinhos mil

Nilson Barcelli said...

"meninos
anjos caídos
entorpecidos
cheirando solventes
que lhes travam as mentes
anestesia,"

Excelente poema, cara amiga.
A parte que destaquei é apenas um dos trechos bem conseguidos por vc.
Uma realidade social bem retratada. Parabéns.

Beijinhos.

*Carol Porne* said...

Lindo poema!
As palavras simples e duras retratam a realidade com mais veracidade. Perfeito!
Bjos

papagueno said...

Será que algum dia vai melhorar? Esperemos bem que sim enquanto pudermos sonhar há esperança.
Beijos

Rui Caetano said...

sensível, profundo, enternecedor belíssimo. Uma reflexão bastante sugestiva e dignificadora. Parabéns.

amordemadrugada said...

Pois é Menina! Andamos em sintonia! Já viste o video clip que tenho sobre os meninos de rua!?
Por mais ke o mundo caminhe, alguem sempre fica para tras...
bjos calientes NINA

Mario Rodrigues said...

Pois é, amiguinha.Um problema grave, os meninos da rua. Mass penso que é um problema social e sem solução. Adorei o modo simples e crú de falar numa realidade

Lembrar dos amigos
não se torna um compromisso
mas um impulso que não
coseguimos controlar.

Uma optima semana

Bjinho amigo

Mario Rodrigues

Mário Margaride said...

Querida amiga,

A realidade nua e crua. Aqui retratada neste belo poema!

Uma noite serena e tranquila, querida amiga.

Beijinhos

Mário

Pena said...

Doce e Terna Amiga:
Um poema sensível. Comovedor e bem real.
Todas as interrogações que faz são sensatas e vivem de solidariedade para a construções de válidos sentimentos muito importantes e necessárias. São muito Importantes? Urgentes.
Há que retirar os meninos da rua com celeridade e urgência.
Porque não somos todos iguais?
São as injustiças da vida que narra com brilhantismo e preciosismo terno pelas crianças, o futuro das gerações que nos irão suceder.
Há meninos que nasceram em berços de ouro. E, os outros, os que nasceram nas ruas? São Seres Humanos, não? Feitos da mesma matéria que nós. Iguaizinhos?
Então, onde mora a diferença?
Há que agir por quem de direito para lhes proporcionar o imenso bem-estar e harmonia física e psíquica que merecem?
A beleza, a ternura e o encanto do seu brilhantismo na luta aguerrida pelo bem e pela Defesa ampla e concretizada dos Direitos Humanos exigem-se de imediato. Prontamente.
OBRIGADO por existir. As suas preocupações são de um gesto pleno de incentivo e justiça que há a fazer. A encetar de imediato para bem da Humanidade inteira.
Parabéns sinceros. Adorei!
Sempre a tê-la na maior consideração e estima.
Com imenso respeito

pena

Tem um valor precioso!

Pena said...

Há algo que se passa de errado.
O comentário não saiu bem visível.
OBRIGADO.
Há que fazer algo. Não se percebe a escrita do comentário.
Bj

pena

Lyra said...

É, realmente, incrível a forma como consegues transmitir (da alma até aos...ossos) essa realidade de "anjos caídos".

Beijinhos e até breve

;O)

QuartoCrescente said...

Gostei muito de te ler... quanta sensibilidade...

Mãe Galinha said...

Muito bonito, parabéns :-)

C Valente said...

Muito interessante
Saudações amigas

velaaovento said...

Triste realidade.
Sorrisos roubados, sonhos roubados... vidas roubadas...

Beijos

António Inglês said...

Menina do Rio

Juraria que já em tempos por aqui vi este poema, estou errado?
Só que cena repete-se e parece não ter solução.
O homem vive demasiado obcecado com sua própria imagem e ambição e não pára para pensar e tentar resolver este flagelo de tantas e tantas crianças.
Como eu gostaria de ter o condão de com um simples toque de magia alterar o destino triste destes meninos.... mas não tenho.
Vou tentando cá pelo meu burgo ajudar os que posso.
Desejo-lhe um final de semana cheio de coisas boas.
Um grande beijinho
António Inglês

benechaves said...

Oi, amiga: bonita feitura de versos na linha da chamada 'poesia social' com denúncias de um quadro de sempre miséria que assola o Brasil e demais países.
Acho que temos de sonhar mesmo, porque melhoria fica apenas na imaginação.

Um beijo social...

Suave Toque said...

Anjos que a vida vai jogando ao chão.

"Solidão não é a falta de gente para conversar,
namorar, passear ou fazer sexo... isto é carência.
Solidão não é o sentimento que experimentamos
pela ausência de entes queridos que não podem
mais voltar... isto é saudade.
Solidão não é o retiro voluntário que a gente
se impõe às vezes, para realinhar os pensamentos...
isto é equilíbrio.
Tampouco é o claustro involuntário que o destino
nos impõe compulsoriamente, para que revejamos a
nossa vida... isto é um princípio da natureza.
Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado...
isto é circunstância.
Solidão é muito mais que isto...
Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos
e procuramos em vão, pela nossa Alma !!!"

Desejo um feliz final de semana.

Beijo de carinho

Elcia Belluci

maresia_mar said...

... e um motivo para sonhar... um dia vai melhorar... simplesmente lindo, triste, verdadeiro, um retrato fiel dos nossos dias.
bjhs e bom fds

Anônimo said...

Entaõ tua filha se casa hoje!
Parabens aos noivos!
Felicidades!

lua prateada said...

Tão triste mas infelizmente tão verdadeiro amiga.Apesar de tão triste lindo poema que nos deste...
Amiga passei para te desejar um belo fim de semana e dizer-te...
Não caminhes á minha frente,posso não saber seguir-te, mas também não caminhes atráz de mim, posso não saber guiar-te.
Mas caminha a meu lado e, sê apenas minha amiga.
Beijinho prateado com carinho
SOL

poetaeusou . . . said...

*
meninos da desilusão,
nas ilusões que te deram,
será que bem te souberam ?
e se exigisses instrução ?
,
conchinhas
,
*

mixtu said...

os meninos
as favelas
as diferenças
o não desenvolvimento
poesia em grito de alerta

abrazo serrano

Meg said...

Verónica, mais uma surpresa para nós. Para mim, tudo bem.
Agora o teu poema, eu li e reli e pensei que os Capitães da Areia tinham passado à história, porque foi neles que fiquei a pensar... para mim um dos melhores livros de JA.
E de repente tinha uma pergunta sobre este blogue, mas faço por mail, se não te importas, ok?

Um bom fim de semana e um grande abraço

flamenguista roxo said...

MENINA DO RIO!!!!!!
Parabéns vou enviar este poema para o planalto quem sabe? Só deus sabe, se eles podem mudar a situação dessas crianças...bem colocado por você...estranho é assim que eu vejo quando passeio pela visconde de pirajá...linda poesia.
Beijos nos teus olhos,

Luadosul said...

Nao sei quando vou poder voltar por cá! Mais deixote muitos beijinhos de uma quase vizinha!

JOSÉ FARIA said...

Olá amiga!
É esta a verdade nua e crua que se não vê nas novelas que nos chegam a Portugal.
O mundo brasileiro visto nas novelas é bem diferenta, é só abastança.
Esta verdade nua e crua do Brasil e de tantos outros paises.
Há tanto modernismo e desenvolvimento supérfluo sem vergonha da mizéria.
Beijos

Bruxinhachellot said...

São apenas meninos que necessitam de um pouco de dignidade para viver. A droga é só um meio encontrado por eles para esquecer ou suavizar o sofrimento que a cada segundo corroi corpo e mente.
Uma vergonha um país tão rico ter pessoas vivendo na miséria.

Vim desejar-lhe um ótimo fim-de-semana e informar-lhe que já está postado no Caminho dos Contos o último capítulo do conto que vem acompanhando.

Beijos de Sol.

Sol da meia noite said...

Quanta dor nestas palavras, minha amiga.
Crianças de rosto fechado... terrível. Vidas sem horizonte...

Um beijinho

OFICINA PONTO E VIRGULA said...

Sou menino do lago, nao sou do rio. Mas sou das aguas.
Faz sentido?!!!!

Gostei de estar aqui, neste blog.

O Profeta said...

Um quadro tão profundamente triste que a sociedade insiste ignorar...


Doce beijo

Eärwen Tulcakelumë said...

Um dia isso há de melhorar!

Pérolas incandescentes de esperança!

Eärwen

**** said...

Belo post!!
Boa Semana!!=)
Beijito

Alice Matos said...

Querida amiga...
queria tanto acreditar que um dia tudo isto vai mudar... para melhor...
Resta a esperança, que é a última a morrer...

Beijinho para ti...

Luis Elias said...

Acaso

No acaso da rua o acaso da rapariga loira.
Mas não, não é aquela.
A outra era noutra rua, noutra cidade, e eu era outro.

Perco-me subitamente da visão imediata,
Estou outra vez na outra cidade, na outra rua,
E a outra rapariga passa.

Que grande vantagem o recordar intransigentemente!
Agora tenho pena de nunca mais ter visto a outra rapariga,
E tenho pena de afinal nem sequer ter olhado para esta.

Que grande vantagem trazer a alma virada do avesso!
Ao menos escrevem-se versos.
Escrevem-se versos, passa-se por doido, e depois por gênio, se calhar,
Se calhar, ou até sem calhar,
Maravilha das celebridades!

Ia eu dizendo que ao menos escrevem-se versos...
Mas isto era a respeito de uma rapariga,
De uma rapariga loira,
Mas qual delas?
Havia uma que vi há muito tempo numa outra cidade,
Numa outra espécie de rua;
E houve esta que vi há muito tempo numa outra cidade
Numa outra espécie de rua;
Por que todas as recordações são a mesma recordação,
Tudo que foi é a mesma morte,
Ontem, hoje, quem sabe se até amanhã?

Um transeunte olha para mim com uma estranheza ocasional.
Estaria eu a fazer versos em gestos e caretas?
Pode ser... A rapariga loira?
É a mesma afinal...
Tudo é o mesmo afinal
Alavro Campos

SAM said...

Lindo grito de sensibilidade em forma poética. É dura a realidade e como é triste ver esta realidade! E as crianças da Praça da Sé? E tantas e tantas que passam por nós. As vezes nem percebemos. Outras, paramos com coração amargurado de mãe e ficamos engasgadas. Impotentes. E tantas ONGS, e tanto dinheiro são oferecidos as Ongs em benefício dessas crianças. No entanto, continuamos a vê-las em quantidade crescente, descobertas no frio, sujas, famintas e entregues ao vício,a violência e a prostituição. E temos medo...Medo sim! Ao se aproximar uma de nós. Não porque nos falte amor e carinho, mas porque é perigo iminente de assalto ou morte. Realidade fria e cruel. Retrato escrito do descaso.


Beijos emocionados, amiga.

ANTONIO DELGADO said...

A exlusão é igual em qualquer lugar, infelizmente temos que viver com esta realidade! dizem que o ser humano é uma raça superior....será mesmo?

Um beijo do outo lado do atlântico
António Delgado

tibeu said...

" Em cada irmão uma semente,"

Gostei de verdade em especial desta frase. Boa semana e um bj

BRUNO LEONARDO said...

Oi,linda
Seu blog tá show de bola...
Pois é..os meninos do Rio são cantados em prosa e verso de todo o jeito,desde os marombados e bem de vida e esses que vc descreve tão bem...
Também os noto com pesar e me sentindo assim tão lesado sem saber como ajudar...
grande berijo ,amiga

Bia said...

Amiga, mostraste num poema (e imagens que chocam e sensibilizam) a crueza da realidade de milhares desses meninos de rua, que assolam nossas cidades, bem como muitas cidades do mundo todo. É uma triste realidade que carece de ações conjuntas, e mesmo sabendo que alguma coisa está sendo feita, não só pelos órgãos governamentais como também por muitas associações comunitárias, o problema é cada vez mais crescente e exige medidas mais drásticas no combate a esse estado de coisas. Dói na alma ver essas criaturinhas assim, tão abandonadas a própria sorte. Façamos cada um de nós a nossa parte, até que algo maior possa sanar essa mazela social.

Ficam sorrisos e pétalas, meu anjo, enfeitando a tua semana, e um beijo carinhoso do meu para o teu coração.

Secreta said...

Um poema que retrata uma realidade triste , muito triste.
Beijito.

impulsos said...

Amiga
Que quadro mais triste e comovente!
Crianças criadas nas ruas, entregues a si próprias e ao seu destino, que, na maioria dos casos será a delinquência...
Um poema tocante e chocante pelo se conteúdo forte e ao qual ninguém poderá ficar indiferente.

Beijo

belakbrilha said...

A realidade por vezes é cruel!
Aqui retartada com sensibilidade sem fugir à realidade1

bjs

Mário Margaride said...

Querida amiga,

Passei aqui, para te desejar uma boa noite, uma excelente semana, e dar-te um beijinho, com muita ternura.

Mário

Mario Rodrigues said...

Amiguinha, so passei para deixar um miminho.

Amigos são como o vento:
às vezes perto, outras longe
mas eternos em nossos...
corações.

Uma optima semana

Bjinho amigo

Mario Rodrigues

paula barros said...

Numa poesia tão bem escrita, a realidade bem definida.
Tal qual como ela é. De poesia, só a sua. A vida sofrida, as vidas sendo perdidas.

beijos

Metamorfose said...

São os filhos do mundo que todos nós ignoramos e permitimos que eles continuem a existir. Retrato nú e crú desta realidade que nos envergonha, descrita magistralmente por ti. Minha querida tenho andado numa má fase, o tempo ultrapassa-me e atropela-me, mas vou tentar nos próximos dias voltar à escrita.

Beijo grande para ti!

Pena said...

Estimada e Doce Amiga:
Gostava que a Humanidade inteira lê-se este poema bem real, lúcido e talentoso.
Que atrocidades se cometem contra as crianças e jovens largados ao acaso nas ruas?
Que Mundo doloroso é este?
Que acto injusto se verifica com estes doces pequenitos que nem pão têm para comer?
Que roubam, que matam, que são agressivos e violentos e cuja explicação se explica facilmente?
Que os poderosos sentados em confortáveis cadeiras do poder criaram pela inoperância e injustiça acção do nada fazer?
Olhe, sempre que a olho, fico atarantado, confuso, incrédulo, atrapalhado, porque consegue expressar tudo o que de belo mora naquelas cabecitas de ouro deixado ao acaso, em pleno séc.XXI e, que transmitem amor, ternura e carinho que nunca tiveram.
Merece o Mundo. Merece todo o encanto majistral do meu sincero sentir.
Sim! Por denunciar e contar as suas histórias sofridas, atarantadas de descrédito existencial e feridas numa dor intensa e fervorosa. Ninguém faz nada?
Sim! Terei sempre uma emoção, um deslumbre, uma dedicação para consigo pelo encanto que resiste e não se restringir a ver e observar a dor e a ferida alheia.
Parabéns sinceros, doce amiga.
Beijinhos amigos com grandioso respeito

pena

Oliver Pickwick said...

Mais um texto escrito com tinta a base de sangue de dragão, querida Sveronica. Realidade vergonhosa, a qual, começa também a despontar até nos países do chamado primeiro mundo.
Um beijo!

O Árabe said...

Um dia vai melhorar, sim. Desde que mensagens como essa atinjam o coração de nossos governantes. Bravo, Verônica!

Rafeiro Perfumado said...

Enquanto se virem olhares como aquele, o mundo não será um local bom para se viver. Temo que tal nunca aconteça...

amordemadrugada said...

Menina...como estás?
Apareça...bjito em ti

João JR said...

Minha querida amiga..
muito obrigada pelas tuas bonitas palavras à minha filha e a mim!
Até te deixei lá uma mensagem...
parabéns tb à tua filha, e que ela seja muito feliz!! E que tu vejas!
Um grande abraço cheio de carinho
e um gd bem hajas por este magnifico e tão verdadeiro post...

Maria Clarinda said...

Voltei...porque tenho saudades de mais poemas lindos. Jinhos mil

RosaMaría said...

Un post valiente y cierto para la situación de muchos niños en el mundo. La situación es dura, difícil y parece inconcebible que en sociedades donde hay tanto lujo y placeres de más no se implementen medios para sacar a esos niños de la calle y darles la mínima instrucción y subsistencia.
Te felicito por tu alegato. Besos

Nilson Barcelli said...

Reli e voltei a gostar.

Bom resto de semana, beijinhos.

Miosotis said...

Que sublime poema de homenagem/esperança aos 'meninos da rua' de todas as cidades do mundo!

Profundamente, gostei!

Sensibilizada pelo olhar amistoso em 'fragmentos'!

Boa semana!

Beijo

conhecimento said...

OLÁ MINHA doce!!O desafio era para pores aqui no teu blog e se kizeres nomeias outros sete, beijinhos de ternura

João Moreira said...

Estes meninos um dia encontrarão um motivo para sonhar. Desejo que assim seja.

Fernando Rodrigues said...

Esta simplesmenta fantastico
gostei muito
parab�ns